Incontinência Urinária

A doença coronária
8 Fevereiro, 2019
Outras Demências – Frontotemporal
29 Abril, 2019

Incontinência Urinária

O que é a Incontinência urinária?
A incontinência urinária é uma situação patológica muito mais comum do que imaginamos. Resulta da incapacidade em armazenar e controlar a saída da urina, ou seja, é caraterizada por perdas urinárias involuntárias, que podem ser muito ocasionais e ligeiras, ou perdas mais regulares e graves.

Quais os fatores de risco?
A probabilidade de ter problemas de incontinência urinária aumenta na sequência de vários fatores:
– existir uma predisposição genética
– envelhecimento
– ser mulher (devido a gravidez, parto e menopausa)
– ter excesso de peso
– ser fumador
– sofrer de obstipação
– ter realizado cirurgias como a histerectomia.

Quais as principais causas?
Não sendo uma doença, mas sim um sintoma de doença, a incontinência urinária pode ser um problema temporário ou mais persistente.
Pode ainda resultar de maus hábitos de vida, problemas físicos ou na sequência da toma de alguns fármacos. Falemos das causas mais frequentes.

Na incontinência urinária temporária
– Maus hábitos alimentares (ingestão excessiva de adoçantes artificiais, chocolate, alimentos muito picantes, doces ou ácidos)
– Consumo exagerado de bebidas alcoólicas e cafeína
– Toma de fármacos como reguladores da pressão arterial, sedativos ou relaxantes musculares, pois estimulam a bexiga e o aumento do volume da urina.

Na incontinência urinária permanente
– Mudança hormonal provocada pela gravidez
– Menopausa (por consequência da diminuição de estrogénios)
– Envelhecimento (torna os músculos pélvicos mais fracos)
– Parto
– Intervenção cirúrgica como a histerectomia
– Problemas neurológicos.

Quais os tipos de incontinência urinária?
As perdas de urina involuntárias, que resultam da incontinência urinária, apresentam-se de forma diversa, desde fugas ligeiras e ocasionais a perdas mais graves e regulares.Esses sintomas derivam dos diferentes tipos de incontinência urinária.

(1) Incontinência de esforço
Manifesta-se por pequenas perdas de urina na sequência de atos como rir, tossir, espirrar, carregar pesos ou saltar, atividades que aumentam a pressão sobre a bexiga.
Deriva do enfraquecimento dos músculos do pavimento pélvico e atinge principalmente as mulheres entre os 45 e os 65 anos.

(2) Incontinência por urgência
Surge de forma repentina e é sinónimo de uma vontade intensa e súbita de urinar, situação que afeta a qualidade de vida. Pode estar relacionado com o envelhecimento, mas também pode surgir em idades mais jovens, neste último caso associado a doenças neurológicas.

(3) Incontinência mista
É uma combinação dos sintomas de incontinência de esforço e por urgência.

(4) Incontinência por extravasamento
Deriva da incapacidade da bexiga suportar grandes volumes de urina e porque a sua pressão excede a capacidade de resistência da uretra.

(5) Incontinência funcional
É uma realidade em portadores de patologias como demência, Alzheimer ou Parkinson e que incapacitam os doentes de chegar atempadamente à casa de banho.- Enurese noturna
Muito frequente em crianças mas também em adultos, caracterizando-se pela perda de urina durante o sono.

Quais os tratamentos disponíveis para a incontinência urinária?
Os doentes devem procurar ajuda e perceber que a incontinência urinária corresponde a uma situação clínica, com tratamento, sobretudo se abordada na fase inicial.
Pode ser tratada através do uso de medicamentos, fisioterapia, cirurgia ou de uma combinação entre estas modalidades. O tratamento ideal depende da análise minuciosa do problema, de forma individualizada, e varia, de acordo com a natureza específica do problema.
O tratamento cirúrgico desempenha um papel preponderante na incontinência urinária de esforço, tanto na mulher, como no homem. A cura da incontinência urinária de esforço é possível em cerca de 90% dos casos.
As alterações comportamentais necessárias, principalmente na incontinência por imperiosidade, passam por um controlo da ingestão de líquidos, pela exclusão de alimentos excitantes para a bexiga, como, por exemplo, a cafeína, pela micção temporizada ou pela micção diferida, consoante a gravidade da doença e a autonomia do doente.
Consultar o médico para iniciar um tratamento é o primeiro passo para conseguir atenuar as perdas de urina. O médico é a pessoa mais indicada para definir o o tratamento ou a combinação de exercícios a seguir.

Dicas para lidar com a Incontinência urinária
✓ Perca peso: carregar excesso de gordura na região abdominal coloca pressão adicional na bexiga e aumenta o esforço dos músculos da bacia.
✓ Não fume: a nicotina pode irritar a bexiga e a tosse pode contribuir para a incontinência de esforço.
✓ Urine antes de sair de casa.
✓ Esvazie bem a bexiga: depois de urinar, levante-se e sente-se de novo. Aí, incline-se para frente, o que vai comprimir o seu abdómen e colocar pressão sobre a bexiga, para ajudar a esvaziá-la completamente.
✓ Use roupas fáceis de tirar: macacões, jardineiras, podem atrapalhar quando estiver com vontade de urinar. Use roupas fáceis de desapertar. É bom ter sempre uma roupa extra para trocar, caso aconteça um acidente.
✓ Evite bebidas e alimentos que irritam a bexiga: a cafeína e alguns componentes do café podem irritar a bexiga. O chá é um diurético que contribui para a perda de líquidos, através da urina e também causa irritação na bexiga. Também as frutas cítricas, refrigerantes e bebidas gaseificadas e alcoólicas provocam irritação. Escolha bebidas, como sumo de uva, amora, cereja e maçã, que não irritam a bexiga e podem ajudar a reduzir o cheiro da urina. Para ver se a sua incontinência melhora, tente reduzir a ingestão dos seguintes alimentos: comidas temperadas, e temperos fortes (caril e pimenta), comidas com tomate, açúcares (mel, xarope e chocolates).
✓ Mantenha-se hidratado: quanto menos bebe, menos quer urinar, certo? Infelizmente, essa estratégia, além de ser prejudicial à saúde, não é muito eficaz. Em vez de beber menos, beba regularmente durante o dia. Ingerir líquidos em horários determinados durante o dia vai impedir que sua bexiga fique cheia demais ou vazia; a irritação acontece justamente quando os níveis de fluido estão altos ou baixos demais. Uma bexiga normal suporta até dois copos de líquido, enquanto bexigas com problemas suportam, no máximo, meio copo, ou até menos. Se urinar mais durante a noite, tente reduzir a ingestão de líquidos após o jantar. Alguns especialistas sugerem uma ingestão de fluidos de seis a oito copos médios por dia.
✓ Se necessário, use pensos absorventes e fraldas descartáveis, bem como, equipamentos externos de contenção de urina, como coletores urinários. (nos casos do homem).

Cuidar de alguém com Incontinência urinária
Quando se cuida de alguém com incontinência urinária, o mais importante é não esquecer que não se trata de uma situação “normal” ou “inevitável”. Existem opções de prevenção, tratamento, controlo e cura da incontinência urinária, sendo muito importante procurar ajuda profissional o mais rapidamente possível.
Muitas pessoas consideram que cuidar de alguém com incontinência urinária é um dos aspetos mais difíceis na prestação de cuidados. A incontinência pode ser imprevisível, aumentar drasticamente o seu volume de trabalho e tornar-se numa situação bastante dispendiosa. Muitos prestadores de cuidados sentem-se irritados, frustrados, sem auxílio. Nem sempre é fácil cuidar de alguém com incontinência, mas o conselho e apoio certos de um profissional de saúde poderá ajudar a gerir melhor a situação.

A Incontinência Urinária é um problema de saúde do qual todos temos elevada probabilidade de vir a sofrer, com o processo do envelhecimento. É de diagnóstico relativamente simples e com possibilidade de tratamentos pouco invasivos e muito eficazes. O primeiro passo para o tratamento cabe a cada um de nós.